sexta-feira, 1 de março de 2013

Conexão discada caminha para a extinção no Brasil


Sala Virtual Brasil

Símbolo dos primeiros passos da internet, a conexão por linha discada perde espaço no Brasil. A tendência de queda é apontada em estudos de mercado realizados pelo IBOPE e pelo CETIC.br.
Os indicadores mais recentes mostram que cada vez mais usuários optam por banda larga para acessar a internet, mesmo que isso não signifique alta velocidade. 
“O acesso mais básico à internet passa a ser o 3G”, afirma Winston Oyadonari, analista de pesquisa do CETIC.br. Segundo ele, a virada da conexão móvel aconteceu em 2011. No ano passado o número de domicílios com acesso a 3Gfoi de 18% ante 10% com acesso a conexão discada. 
A diferença entre as duas modalidades também está na velocidade, uma vez que a rede móvel pode chegar a 1 Mb contra 56 Kbps da rede telefônica. 
A escolha pelo 
3G é motivada por desigualdades regionais, afirma Oyadonari. Na região o acesso à rede móvel chega a 43% dos domicílios com internet. Aqueles que optam pela conexão a cabo ou via satélite estão sujeitas a problemas de infraestrutura ou limitação da banda. “Na região norte, 96% dos provedores oferecem apenas conexão de 512 Kbps”, diz o analista. 
Outra razão para a queda do acesso a redes discadas são fatores socioeconômicos. “A existência e o acesso à internet estão suscetíveis à renda familiar”, afirma Oyadanari. Embora pareça óbvio, o fato esconde nuances. 
Menos da metade dos brasileiros paga para acessar a internet, segundo a mais recente pesquisa do CETIC. Dessa parcela, 51% gastam menos de R$ 60 por mês para se conectar a redes móveis ou banda larga. “Houve um crescimento do acesso na classe C”, finaliza Oyadonari.













Um comentário: